Políticas de privacidade e de cookies

Blog

Os antimicrobianos como alternativa à contaminação hospitalar

A contaminação hospitalar é uma grande preocupação, tanto da população quanto dos gestores de hospitais.

E não é para menos, em média, 100 mil pessoas morrem anualmente devido às infecções adquiridas em hospitais no Brasil.

Sem falar nos números de contaminados pelo novo coronavírus, estes que não se tem uma avaliação exata da quantidade que ocorreu em hospitais ou na rua.

A preocupação em diminuir as taxas de contaminação está em pauta e os antimicrobianos despontam em destaque para auxiliar no combate.

Leia mais em: Nanopartículas funcionais e saúde

Contaminação cruzada: uma grande preocupação

Os hospitais abrigam milhares de microrganismos, especialmente os que apresentam grande resistência aos medicamentos, como os vírus e as superbactérias.

Apesar de frequentes, as limpezas e esterilizações nem sempre são tão eficientes quanto deveriam, o que favorece a proliferação desordenada de vírus, bactérias e fungos nas mais diversas superfícies.

O risco relacionado às superfícies infectadas é evidente e preocupante em contaminações diretas, mas também fornece perigo quando avaliamos as contaminações cruzadas por meio das mãos de profissionais, instrumentos ou produtos que estão em contato com diversas superfícies.

Pois, esse tipo de contaminação, permite que os microrganismos possam se deslocar pelos mais variados ambientes do hospital.

Um estudo recente, mostrou que 88% das cortinas hospitalares estavam contaminadas com superbactérias MRSA (Staphylococcus aureus ​resistente à meticilina) após 14 dias, mesmo em leitos onde não haviam pacientes contaminados.

Isto serve de alerta para a incidência de contaminação cruzada nos objetos que compõem o leito hospitalar.

Outro caso, foi uma pesquisa realizada na Universidade da Flórida (EUA), realizada no Hospital de Shands, onde os pesquisadores encontraram partículas do novo coronavírus no ar.

Isso mesmo, suspenso em forma de gotículas!

Uma vez que se tenha superfícies antimicrobianas no interior destes ambientes e nos jalecos dos profissionais, o risco de contaminação cruzada é reduzido.

Avaliações realizadas por laboratórios independentes, mostraram que em aproximadamente 30 segundos de contato com material tratado com antimicrobiano TNS, o vírus já é inativado.

Sendo assim, falhas nos processos de limpeza e desinfecção de superfícies podem ter como consequência a disseminação de microrganismos nos ambientes hospitalares.

Colocando em risco a segurança dos pacientes e dos profissionais que atuam nesses serviços.

Visando minimizar essas falhas, os fornecedores do setor médico-hospitalar vêm recorrendo a soluções antimicrobianas de alta eficiência como os aditivos TNS.

Leia mais em: A segurança da nanoprata na área da saúde

A nanotecnologia no combate à contaminação hospitalar

A nanotecnologia vem sendo uma grande aliada no combate às bactérias e fungos, principalmente pela segurança apresentada.

Atualmente, nanopartículas de prata e óxido de zinco são incorporadas em produtos para conferir a propriedade antimicrobiana.

São capazes de impedir a proliferação de microrganismos patogênicos, como: vírus, bactérias e fungos.

Com a utilização de produtos contendo nanopartículas antimicrobianas, o número de casos de contaminação cruzada pode ser drasticamente diminuído nos hospitais e clínicas.

Nestes casos, não apenas os pacientes são protegidos de contrair doenças, mas também os visitantes e colaboradores dos hospitais.

As nanopartículas são adicionadas diretamente no processo de fabricação de diferentes produtos.

Atualmente, existem tecidos, polímeros, tintas e espumas aditivados com antimicrobianos, o que os tornam ideais para o uso em ambientes hospitalares, evitando assim contaminações, por exemplo, em:

Para os fornecedores de hospitais, a utilização de antimicrobianos vem sendo muito mais do que um diferencial comercial.

É imprescindível fornecer um produto que auxilie no combate à contaminação cruzada, uma vez que os hospitais estão cada vez mais preocupados com o tema.

A TNS dispõe de uma grande variedade de aditivos antimicrobianos que são facilmente incorporados nos mais diversos processos de fabricação.

Desenvolvemos também soluções específicas para empresas que desejam atender as demandas desse setor.

Quer entender ainda mais sobre as nossas soluções? Entre em contato com a nossa equipe.

Baixe nosso E-book: Aditivos antimicrobianos, a solução principal para o Setor Médico-hospitalar

Gostou do post? 

Então deixe seu comentário e não esqueça de compartilhar nas suas redes sociais!

Acesse mais conteúdos exclusivos inscrevendo-se no nosso canal do YouTube, acompanhando nosso blog e seguindo a TNS no LinkedIn, Facebook e Instagram.

nanaparticula contaminação hospitalar

Links e referências:

https://oglobo.globo.com/politica/sem-controle-eficiente-infeccoes-hospitalares-causam-cem-mil-obitos-por-ano-2697060
http://radios.ebc.com.br/revista-brasil/edicao/2016-02/nanotecnologia-voltada-para-combater-infeccao-hospitalar
http://lqes.iqm.unicamp.br/images/lqes_empauta_novidades_1008_cpopular.pdf
http://www.finep.gov.br/noticias/todas-noticias/5162-empresa-usa-nanotecnologia-para-eliminar-fungos-e-bacterias-resistentes-em-hospitais
https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0195670117301433