Política de Privacidad y Cookies

Blog

Principales problemas de la industria espumas y cómo resolverlos

O mercado de espumas vem se destacando no cenário global a cada ano que passa. A tecnologia de espumas difundida em meados do século passado vem trazendo avanços em diversos setores, como o têxtil, calçadista e automobilístico, proporcionando conforto e bem-estar nesses mercados.

Um dos segredos para a grande gama de aplicações deste produto são os aditivos utilizados na indústria e a versatilidade da formulação destas espumas. Essas técnicas são utilizadas para trazer novas funcionalidades e também resolver problemas.

Elementos da formulação e aditivos solucionam problemas da indústria de espumas

Existem diversas dificuldades que podem ocorrer durante o processamento de espumas. Os problemas mais comuns são falhas nas propriedades físicas como densidade e elasticidade – mas que não devem ser considerados como graves, um ajuste na relação dos elementos básicos da fórmula pode trazer o resultado desejado.

Existem ainda outros exemplos mais críticos que podem incluir problemas na estrutura dos produtos pela dosagem das matérias-primas, como: encolhimento, rachaduras, crateras de superfície ou amarelamento.

Aditivos como catalisadores, silicone e o chamado octoato de estanho aplicados no nível correto, podem solucionar esses defeitos. Todos esses problemas, porém, são característicos do processamento e podem ser corrigidos estudando-se melhor a formulação.

Outras dificuldades da indústria de espumas

Dentre esses problemas estão os fungos e bolores, agentes microbiológicos que causam a deterioração das espumas. Em estruturas, o desenvolvimento de fungos pode ocasionar o temido “mofo”, até evoluir para a perda total da estrutura da espuma – acabando com propriedades como isolamento acústico e térmico. Além disso, fungos são a principal fonte de nutrientes para outro grande problema característico do mercado de espumas: os ácaros.

Ácaros são predadores de fungos, e também de outra classe de microrganismos, as bactérias. E como o ácaro é o principal agente de substâncias causadoras de alergias numa casa, acabar com as partículas de sujeira das quais se alimentam é uma das formas mais eficazes que existem para controlá-los.

Outra característica em comum entre bactérias e fungos são as doenças que esses microrganismos podem causar. Bactérias como Staphylococcus aureus mi Escherichia coli, possíveis causadoras de doenças de pele e respiratórias, foram o alvo do estudo dos pesquisadores da Universidade De Montfort, em Leicester no Reino Unido [disponível no link — http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1365-2672.2004.02456.x/pdf]. Neste estudo, simulou-se o movimento noturno da cabeça de uma criança durante o sono, e com ele observou-se a liberação das bactérias do colchão de espuma contaminado com os microrganismos. O estudo concluiu que os níveis de bactérias adquiridos naturalmente pelo uso (como S. aureus), quando liberados para o ar por movimento, são proporcionais aos agentes contaminantes presentes no colchão, e que esses níveis podem representar risco elevado ao trato respiratório de bebês, por exemplo.

Esses resultados podem soar assustadores, porém a indústria de espumas (como colchões e revestimento) vem se prevenindo contra esses agentes que colonizam materiais porosos com tanta facilidade e se alojam em seus produtos. Aditivos antimicrobianos de alta eficiência, como se ofrece en la amplia cartera de TNS, vêm sendo aplicados nesse mercado em baixas concentrações e com grande eficiência, sem interferir na estrutura da espuma durante o processamento. Assim o consumidor tem sua segurança garantida!

E por falar em segurança, outro tópico bastante visado em produtos à base de espuma é a resistência ao calor, ao fogo propriamente dito, e a garantia da não-liberação de vapores tóxicos quando submetida à queima.

Cargas inorgânicas: aditivos retardantes de chamas são os maiores salva-vidas

Todas as espumas flexíveis devem ser consideradas combustíveis sob determinadas circunstâncias. Porém, as características de combustibilidade podem ser alteradas através de mudanças na formulação e/ou pelo uso de retardantes de chama.

Combater esse risco é importante pois além do perigo causado pelo alastramento do fogo, a queima de espumas produz não só fumaça, mas também normalmente gera um líquido escuro que pode continuar a queimar, mesmo após a fonte de ignição ter sido retirada. A queima também libera vários gases em níveis tóxicos (sendo o monóxido de carbono e dióxido de carbono os mais significativos entre eles), a exemplo do que acontece na combustão de todos os compostos orgânicos. O aditivo retardante de llama TNS é uma grande arma no combate a esses perigos, pois além de compor uma nova classe de aditivos retardantes de chama mais seguros, livres de compostos halogenados, possui grande eficiência para a redução da combustibilidade de espumas.

Para garantizar la calidad y la adecuada utilización de espumas en el mercado es importante pensar desde la formulación de la diseño da aplicação. E uma maneira de inovar é trazer as necessidades dos consumidores para dentro da indústria e assim agregar valor a esse produto que tanto tem ganhado mercado no cenário global!

Entre em contato com nossa equipe de engenheiros e verifique como a TNS pode auxiliar o seu negócio.

artículo de Vendelino Oenning Neto

 

antimicrobiano espuma